expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>>>'>

26.11.14

Turismo e acessibilidade


Turismo adaptado



Segundo Pesquisa do Instituto IBGE,2013 o Brasil possuí 24,6 milhões de pessoas portadoras de certa limitação funcional.A maioria se concentra em áreas urbanas e com potencial consumidor do Turismo. Encontram porem barreiras no tocante a própria limitação física e boa acessibilidade.

Algumas pessoas nascem com algumas limitações,outras,passam a serem limitadas por conta de trágicos acidentes  de trânsitos,assalto,bala perdida,enfim,vários são os motivos limitantes,as pessoas tem deficiências que diferem uma das outras ,o que exige mais ou menos recursos.

O principio básico do que  denomina-se Turismo acessível é a inclusão do maior contingente possível da parte da população para as atividades de turismo e lazer.

Os empreendimentos

Os empreendimentos que se mostram interessados em adaptar seus serviços crescem ,porem esta longe de ser o ideal.
Segundo a Legislação Brasileira, a exigência é de que os Hoteis devem reservar apartamentos adaptados e dispor de acessibilidade em todas as áreas,no caso 5% das unidades habitacionais adaptadas.

Será que essa è uma realidade atual no Brasil?

Muitas são as reclamações feitas por grupos de pessoas,principalmente em relação ao banheiro. O ideal é que os cômodos sejam adaptados para deficientes visuais,intelectuais,cadeirantes e deficientes auditivos.

Um exemplo:

No Hotel Atlântica Hostels,localizado na Oscar Freire,onde tive o privilegio de constatar as  mudanças ocorridas nas UHS,embora ainda faltassem outras mudanças.

Na entrada do quarto há um grande espaço dimensionado aos caldeirantes para locomoção não pode haver  mobiliário como nos quartos convencionais como tapetes,a não ser que  o piso seja inteiramente revestido por igual. A porta do banheiro è de correr com grande  abertura  para a passagem da cadeira de rodas,a privada é bem alta com o assento adaptado.

 O Box è largo e possuí porta de correr e uma cadeira fixa á parede com assento modificado,há um cinto para prender o deficiente para que a cadeira não se solte e cause acidente,também uma barra fixa na parede de ponta a aponta para os de limitação funcional se segurarem.

Não obstante isso,o chuveiro também modificado para atender a este publico consumidor de Turismo, no chão,um tapete antiderrapante.

O item alarme não pode faltar,caso aconteça algo  ao de limitação funcional,e para os de limitações auditivas,intelectuais e visuais,torna-se extremamente delicado e as complicações são bem piores.

Importante ressaltar que essas diferenças começam já no estacionamento dos empreendimentos,não importando sua Categoria,com a reserva de vagas pare este tipo de publico,assim deve proceder à entrada.

 De preferencia que as UHS( unidades Habitacionais)dos andares de base, sejam reservados,para evitar que estes tenham que subir os andares acima,de preferencia ao lado dos elevadores,que também devem ser adaptados aos cadeirantes e linguagem em Braile,quesito bem comum hoje em dia.

Segundo Roger Bacche;
Para o Diretor de Acessibilidade da ABIH Nacional,Roger Bacche,o entrave principal ainda é a falta de conscientização,

"Temos Leis,mas a falta de Mecanismos eficientes de Controle acaba por desestimular a sua aplicação."

Bacche que é proprietário do Hotel Villa Bella em Gramado (RS),buscou instalar em seu Hotel um cabine telefônica para os deficientes auditivos,sem sucesso diz que a "Anatel, não consegue viabilizar o sistema"

Segundo ele orgulha-se de ter o seu empreendimento escolhido, na obtenção de um certificado de Acessibilidade total do Instituto Pestalozzi,onde atuam a mais de 75 anos na área da Educação especial.

 Fundação Dorina Nowill um exemplo a ser imitado

Esta empresa trabalha a inclusão de crianças,jovens e adultos cegos ou baixa visão, através de reabilitação e produção de livros  a revistas acessíveis. A capacidade de produção da fundação é superior a 40 milhões de paginas em braile ao ano, desde partituras musicais,cartões de visitas,livros didáticos,c (catálogos\Best Sellers entre outros itens que atendem o publico corporativo.

Durante o evento Fistur, a Dorina renovou  a parceria com a Confederação Nacional do Turismo( CNTur) e associação Brasileira de gastronomia hospedagem e Turismo (ABRESI),com o fornecimento de cardápios em Braile a preços acessíveis e treinamento e capacitações para funcionários dos estabelecimentos do setor. Esta previsto neste acordo: Workshops para empresas que contratarem funcionários com deficiência visual.


Vejamos algumas adaptações necessárias para pessoas com limitações funcionais

  • Corredores mais largos
  • equipe treinada para atendimento ao portador de necessidades especiais
  • cadeira adaptada no banheiro
  • piso antiderrapante
  • campainha luminosa para surdos
  • barras de segurança,por onde necessitam estar
  • cadeira elevador que facilita o uso da piscina
  • guias rebaixadas
  • cardápio em braile
  • sinalização para deficiente visual
  • cadeira especial no chuveiro
  • e etec....
Há outro publico avido por desfrutar do turismo e lazer,mas por falta de acessibilidade não viajam,eles tem condições financeiras positivas,mas a falta de atendimento e serviços adequados os impedem de desfrutar,ex: gestantes,pós operados,pois estão momentaneamente com mobilidade reduzida.

Projetos para Turismo Acessível

Pernambuco é parte de um projeto(Pernambuco sem Barreiras), afinal o Estado possuí 1,3 milhões de deficientes,70 mil no campo visual. Onde há a 
distribuição de Cartilhas do Programa Turismo Acessível nas Rotas Turísticas do Estado.

No Nordeste com o apoio da Secretaria Municipal  de promoção ao turismo(SIMPTUR),o ergonomista Jorge Luis Silva,estão construindo uma jangada para os turistas que visitam as piscinas naturais de Pajuçara, a jangada acessibilidade I que mede 6,45 m de comprimento e 1,98 m de largura  projetado para 6 pessoas,sendo dois lugares para cadeirantes,com adaptações nas rampas ate a jangada.

Exemplos de Hoteis no quesito acessibilidade. 
Cases:

O Casa Grande Hotel e o Sofitel Jequitimar Guarujá ,ambos com padrão de qualidade Internacional,disponibilizam respectivamente 8 e 2 apartamentos para ocupação exclusiva de portadores de necessidades especiais . Os apartamentos se concentram no 1º andar próximos ao elevador,também adaptado com botoes mais baixos e informações em braile.

Conclusão:

  • As adaptações demandam certo tempo para serem feitas,pois necessita de investimentos, o que é compreensível,
  • A observância das Leis e as praticas requerem boa vontade,
  • Precisam cooperar para o Turismo acessível( o Governo e as iniciativas Privadas),
  • Os empreendimentos hoteleiros precisam entender que quem fizer as adaptações necessárias, terão preferencia deste grupo de pessoas,gerando receita a mais,
  • E finalmente: o publico precisa contribuir,cobrando e exigindo o que é devido por Lei,assim os empresariado se sente estimulado pela cobrança do publico.
Fonte referencia: Abav Turismo das Américas 2014













visitantes

Google+ Followers

Seguidores